segunda-feira, 12 de dezembro de 2005

Gorda no Divã

Acabei de me pesar. Estou com exatamente 75 kg. Tenho 1,57m de altura. Segundo a ABESO, Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade, isso equivale a um IMC de 30,42719 kg/m2, o que me situa numa posição de Obesidade Grau I, que vai de 30,0 a 34,9. Até um mês atrás, eu tinha 69 kg, o que me deixava com um IMC de 27,99302, confortavelmente dentro da faixa de apenas Sobrepeso, que vai de 25,0 a 29,9. Agora, isto mudou.
Existem, segundo eles, três níveis de Obesidade. Grau I, II, e III. Como disse, acabo de me situar no Grau I.
Por que estou falando disso? Talvez porque me deixe deprimida. Mas é engraçado. Não deprimida o suficiente, para criar coragem e fazer alguma coisa. Sabe o que é? Eu começo a fazer algo, e não vejo resultado. Eu passo a fazer já imaginando que não terei retorno. Eu desisto.
Hoje, estava vendo uma foto que Namorado e Eu tiramos ontem na praia. Não vou colocá-la pois me senti extremamente humilhada. Aqui de cima, do ponto de vista dos meus olhos, e mesmo ao olhar no espelho, não conseguia me achar assim tão gorda. Certamente, eu sabia que estava com vários quilos a mais, mas não era assim tão ruim. Via minha barriga enorme e minhas pernas parecendo pernis, mas não tinha a consciência que tive quando vi minha foto, de frente, corpo inteiro. Meu Deus. Eu me assustei. E meu rosto... quando olho no espelho, ele não parece tão inchado. Tenho cara de doente, cansada, meu corpo está todo deformado, tenho celulite e estrias a perder de vista, e sabe o que mais me assusta? Não tenho a menor força de vontade de mudar alguma coisa.
Tenho tanta fome!... e não posso dizer que é vontade de comer, ou compulsão... é fome, mesmo. Sou capaz de bater um pratão de massa e ainda sentir fome, necessitar de um doce, ou daqui a três horas estar com dor de estômago de tanta fome. Também não posso dizer que me acostumei a fazer as coisas comendo, porque não seria verdade. A verdade é que a hora de comer se tornou um ritual. A hora do almoço é a mais maravilhosa. Quando eu vejo no relógio que são 11h da manhã, já começo a me preparar. "Onde vou almoçar hoje?", eu me pergunto. Ah, sim, "drogar-se". Significa comer no McDonalds. É engraçada essa parte. Eu me sinto tão deprimida por ficar pensando onde vou comer, que acabo pensando que tanto faz onde coma, vou ficar uma baleia do mesmo jeito. Então, já que é assim, acabo comendo no McDonalds, afinal de contas, gorda por gorda, pelo menos o McDonalds é aqui do lado, eu gasto menos tempo indo, voltando e comendo. Isso se agravou depois que comecei a almoçar sozinha. Como vou estar sozinha mesmo, tanto faz se comer todos os dias no McDonalds.
Há dois anos atrás, eu era linda. Pesava 55 kg e estava extremamente feliz com meu corpo. Típica brasileira, corpo bonito. Não era escultural não, eu tinha barriguinha, tanto é que, quando coloquei meu piercing, dificilmente andava com ele à mostra, pois achava que ainda tinha que perder muita barriga par poder mostrá-lo. Bom, agora não tenho mais esse problema, mesmo que eu queira mostrá-lo, a barriga esconde.
O que mais me assusta nisso tudo é que eu não tenho força de vontade para mudar essa situação. Se preciso de ajuda? Devo precisar, mas não sei definir qual. Fui ao endocrinologista no começo do ano. Ele me tratou pior que um cachorro. Fiquei triste. Marquei com outro médico, que acabou não podendo me atender no dia, e remarcando a consulta, à qual depois eu é que não pude ir, e não remarquei. Iniciei um tratamento para obesidade, com remédios e tudo, mesmo quando Namorado disse que eu deveria ir mais devagar, e tentar descobrir se havia alguma implicação para isso, se meu organismo estava apto a ser tratado ou se havia algo errado. Iniciei, fiz um tempo, não vi diferença, desanimei, parei. Apesar de ter pagado uma pequena fortuna, que nem lembro de quanto foi, mas Ximbico suou para pagar, eu percebi que tinha feito a maior burrada da minha vida, fiz mais duas consultas, e parei. Ainda tenho consultas a fazer, mas não tenho a menor vontade de ir. Quanto aos remédios, sim, me faziam perder o apetite. E ganhar uma gastrite. Claro que a culpa não foi apenas dos remédios. Segundo o Gastro, minha gastrite é nervosa, porém agravada pelos remédios fortes que tomei.
Tenho muita mágoa de mim mesma. Porque, apesar de ver que estou a cada dia mais deformada, não tenho força de vontade para comer apenas um pedaço de bolo. Eu quero comer até matar a minha fome. Outro dia, fui ao cinema com Namorado, e comi um BigMac, uma batata média, um suco médio, um McDuplo, e quando saí do cinema, comi uma meia dúzia de sushis e pode crer que estava apta a bater um pratão de macarrão que eu estava vendo ali no Spoletto. Isso é normal? Eu acho que não... e é isso o que falo: eu juro que não era "vontade de comer". Era fome mesmo. Eu acordo com fome e vou dormir com fome, todos os dias, independente de quanto eu coma. Acho que se eu um dia me desafiar a comer até matar minha fome, eu vou passar umas três horas comendo. E daí a três horas, vou estar com fome denovo. Parece que meu estômago não tem fundo. Meu Deus, que tristeza...
Quando eu comecei a ficar gorda, minhas calças não me serviam mais depois de alguns meses que as tinha comprado. Agora, a calça que comprei no meu aniversário e estava bem confortável, mal entra em mim. Não tenho mais cintura, nem mesmo cintura alta. Sou uma bola, uma massa redonda. Não, eu não estou exagerando. Lembrem-se, Obesidade I.
E eu não tenho disposição. Claro. Não aguento fazer meia hora de PowerJump, por mais que me esforce. Não aguento caminhar 15 minutos, fico com cãibras nas pernas. Fora o cansaço, a dor nos pés, a falta de ar, de fôlego... as batatas das minhas pernas simplesmente travam. Foi assim ontem, quando tive de andar uns 2 km da entrada do porto até o navio e de volta do navio até a entrada do porto. Para chegar no carro, foi um suplício. Juro que pensei pelo menos três vezes em parar para descansar, mas estava uma chuva chata, eu ia me molhar mais ainda e não tinha roupa para trocar. Mas quando cheguei no carro e desabei no banco, quase não conseguia levantar as pernas para puxar as barras da calça, e disse a Namorado que estava sentindo uma dor tão grande que mal conseguia mexer as pernas por causa do esforço. Na hora ele brincou e na verdade, ainda hoje estava tirando um sarro comigo quando disse que meu corpo todo estava dolorido, pois tive de segurar meu peso pulando um portão. Mas ninguém consegue imaginar a dor que eu senti nas pernas ontem, quando estava voltando ao carro, e a dor que sinto em meu corpo hoje, que já tomei dois Dorflex e não passou. Mal consigo abrir meus braços, e quando passo a quinta marcha, faço de tudo para não ter de reduzir, pois é uma dor terrível quando tenho de fazer o movimento. E não, não é a tendinite, meu braço não dói. São os ombros, as costas, os tornozelos, os pés, enfim, as articulações. Certamente, do esforço. Meus braços não estão acostumados a segurar 75 quilos dependurados. Não me aguento mais.
O pior é que eu não consigo fazer nada. Eu sinto fome, o que vou fazer? Tento almoçar pouco, tento comer várias vezes, mas se eu pego um pacote de bolachas integrais, eu como o pacote inteiro. E na hora do almoço, tenho a mesma fome. E à tarde, também. E à noite, se me deixarem eu como tudo o que tiver pela frente. Na verdade, eu só paro de comer por dois motivos: ou por educação ou porque a comida acaba. Riam, mas é a verdade.
Se eu começo a fazer exercícios, os fortes não aguento. Musculação, não vejo diferença e estou tão cansada!... e se eu fizer algo light, como hidro ou natação, não me sinto confortável, além de não ver a menor diferença, pois sou a pessoa mais descoordenada do mundo, faço tudo errado, me sinto ridícula e fico toda dolorida. Além de, claro, não perder um grama sequer.
Sabe... só tenho vontade de chorar... me sinto tão humilhada!...
Mas é aquilo: ninguém pode me ajudar... eu sei que tenho de fazer isso sozinha, mas não tenho conseguido. Não sei o que fazer. Eu quero sumir. Quero dormir gorda e acordar magra. E o problema não é que eu quero uma solução milagrosa. O problema é que eu não consigo, meu Deus, não sei o que fazer, mas não consigo.
Tá bom, pode ser falta de vergonha na cara. Chame como quiser. Nem eu sei me definir. Tenho vergonha de mim mesma. É só isso que posso dizer. Mas como eu disse no começo, não tenho tanta vergonha assim, que me faça tomar alguma atitude.
Queria ter.

4 comentários:

Rosi disse...

Ô ,Paty querida,tu tens que dar um jeito nisso.Não vou te dar conselho,vou te dizer o que aconteceu comigo e o que resolveu.Eu sempre fiu um palito.Com 22 anos eu pesava 41 kg/1,61m.Me sentia horrível!Aí tomei um "abridor" de apetite e em 1 mês eu engordei 10 kg.Fiquei tri faceira.Qdo casei eu estava pesando exatos 52kg.Da primeira gravidez(meu nenê nasceu morto) em 1992eu fiquei com 2 kg que não conseguia perder por nada.Da segunda em 1993,eu fiquei com + 2.Daí prá frente eu fui ganhando peso até que,em 1997,me vi numa foto em que eu tô sentada,parece que eu tô grávida de uns 7 meses.Eu não acreditava naquilo,até pq meu marido é personal trainer,e eu era uma péssima propaganda p/ele do jeito que eu tava.Procurei a nutricionista que trabalhava com ele(e o teu santo tem que casar com o dela,tem que ter entrosamento)e comecei uma reeducação alimentar.Ela me explicou que qto + se come + o estômago dilata e "pede"mais comida,se saciando com cada vez + porções maiores.É uma fome constante,que te deixa ansiosa,e a coisa vira um circulo vicioso.Tu come prá se acalmar e fica ansiosa pq engorda cada vez mais.Com a reeducação (se tu encontrares uma pessoa certa)tu podes comer de tudo,controladamente,e é um compromisso que tu assumes contigo mesma e com o profissional q te trata,porque tu tens q apresentar um relatório diário de tudo o que entra na tua boca(rs,rs,nem tudo...)e vai pro estômago.Por isso tem que ter um engajamento total de ambas as partes.O teu estômago vai diminuindo aos poucos(eu perdia por volta de 250 grs por semana,durante quase um ano),até que se começa a comer o que é o normal,ptá tu te manter fisicamente bem e saudável`´E feita uma escolha do que tu gostas de comer(até Mac eu podia comer no meu dia livre,e ñ pensa q tu vais conseguir comer 5 pq não cabe,teu estômago volta ao normal).Quem convive comigo e me via comer durante a reeducação,diz que aquela foi a época que eu + comi,pq tu TENS q comer de 3 em 3 horas,sem perdão!Emagreci tanto que no final eu pesava 49 kg,e aí tive q engordar até estagnar nos 52.Com a terceira gravidez eu tive q fazer repouso e quase tive um treco pq engordei 20 kg.Fiquei com 2(54)q não consigo perder,mas estou com esse peso a 5 anos,e tô legal.
Espero ter te dado uma luz,e agora eu vou te dar um conselho:todo mundo tem o direito a uma deprê de vez em quando.Mas quando isso chega ao ponto de te prejudicar físicamente,aí tá na hora de rodar a baiana e tentar sair dessa!
E não toma mais remédios menina,que isso pode te prejudicar pro resto da tua vida!
Mesmo sem te conhecer eu te gosto e te quero ver melhor e mais animadinha.Bola prá frente,guria!!! Beijoconas,
Rosi

Marina disse...

Paty, tenho que sair para o trabalho, mas hoje a noite sem falta volto aqui. Tenho passado pelo mesmo que você, mas meu caso é um pouco diferente, aparentemente não sinto tanta culpa (já estou me aceitando, o que também é ruim), mas tenho 2 filhos que estão fazendo Educação Física e estão me ajudando a dar um passinho por dia. Afinal, tudo é uma questão de hábito e não adianta pegar nossos velhos hábitos e jogá-los todos de uma vez pela janela. Resumindo, continue com sua rotina apenas diminua um pouquinho a cada semana as quantidades e ARRUME um tempinho para uma caminhada, pode ser uma volta na quadra. Todo hábito leva 23 dias para se estabelecer, portanto este 23 dias serão forçados mesmo.
Beijo e até depois.

Nanna disse...

Olá Paty, estou passando pela mesma coisa, mas por motivos diferentes, perdi meu bebê (estava de 3 meses) a 2 meses, como já estava acima do peso 5 kg acabei engordando mais 5kg nos três meses, no fim 10Kg a mais (70kg para 1,61m). Como minhas irmãs e minha mãe são magras (ao contrário de mim, sempre fui mais cheinha) elas ficam pegando no meu pé, minha mãe é um pouco paranóica com peso, fica controlando o que como, o que compro, tudo. Agora que estou morando com meu namorado ficou pior, cada vez que ela me via falava em alto e bom tom "Nossa vc está muittttooooo gorda". Isso me deixava muito triste, mas tomei uma atitude e de uns dias pra cá ando me controlando bem, diminui os doces, não tomo refrigerante e tento comer coisas saudáveis no almoço, já eliminei 3Kg em 15 dias, minha fome estava bem parecida com a sua, aos poucos ela anda diminuindo, minhas calças que usava antes de engravidar já me servem, estou cada dia mais feliz, minha barriga já diminuiu bem, mas isso graças a meu esforço. Tente mudar aos poucos, use um truque que sempre dá certo comigo, corte uma cenoura grande em palitinhos (tipo batatinha) coloque em um saquinho e toda vez que a fome atacar, ataque as cenouras (cruas) aos poucos vc vai largando esse vicio (no seu caso é isso que acontece). Vc está viciada em comer e toda dependencia leva um tempo pra passar, só tome cuidado pra não ter recaidas. Abreijos querida e tudo que deseja só depende de vc mesma.
Dê uma olhada na história dessa garota, quem sabe não é o empurraozinho que te falta.

http://www.meuemagrecimento.blogger.com.br

Nanna disse...

PS: Dê uma passadinha neste blog também: http://lufrancesa.blogger.com.br/

30 dicas que ajudam a emagrecer

1- Só comece uma dieta quando estiver absolutamente certa de que quer emagrecer.
2- Você é quem manda na comida. Ela não tem poder sobre você.
3- Olhe-se no espelho todo dia epreste atenção nos seus pontos positivos.
4- Anote o que você come para identificar seus deslizes.
5- Não se sinta culpada se furar a dieta de vez em quando, mas não faça isso sempre.
6- Comida não é presente e não supre carências.
7- Não se tranque em casa só porque está acima do peso. Isso vai fazer você comer mais ainda.
8- Encontre prazer em se arrumar. Nem todas as roupas lindas prescisam ser justas e coladas ao corpo.
9- Comemore com você mesma todo o peso perdido. Nem que sejam só 100 gramas.
10- Não dê ouvidos a quem diz que você está ótima. Você é que sabe seu peso ideal.
11- Se estiver muito ansiosa, saia para passear a pé.
12- O calendário é você quem faz. Não estabeleça dias regidos para começar ou acadar a dieta.
13- Nada de passar fome só para entrar numa roupa.
14- Segunda-feira é o pior dia para começar uma dieta porque você vai querer comer em dobro no domingo e já começar em desvantagem.
15- Desconfie de fórmulas milagrosas que prometem emgrecer.
16- Numa pense " Já que fuji da dieta, agora vou comer tudo que quero".
17- Não saia alardeando para o mundo que você está de dieta. Todos vão se achar no direito de cobrar resultados.
18- Viver se lamentando porque está fora do peso só aumenta o sofrimento.
19- Não faça outra atividade enquanto come, como assistir televisão, porque você perde o controle das quantidades.
20- Não tenha pressa de perder peso. Grande perdas em pouco tempo geralmente são seguidas de grandes ganhos.
21- Faça uma dieta que se adapte ao seu estilo de vida. Não adianta cortar todo o açúcar se você adora doce. Procure reduzir as quantidades.
22- Com devagar. Esse ainda é o melhor truque para se satisfazer com pouca comida.
23- Tenha como objetivo um peso possível e não um peso ideal que numca fez parte de sua vida.
24- Tente aumentar sua atividade física sempre que possível. Dispense o elevador e ande a pé.
25- Não faça dietas radicais, de morrer de fome. Você pode não agüentar por muito tempo.
26- Não tenha raiva de quem é magra como você gostaria de ser.
27- O poder de transformar seu corpo não está em uma dieta mágica, num spa ou remédio milagroso. Está somente em você.
28- Pare de perseguir as tabelas de calorias. Faça uma contagem, mas não fique viciada nisso.
29- Faça uma lista de todas as comidas gostosas que não engordam.
30- Sempre que possível, incremente sua alimentação com frutas e verduras.

Eu JAMAIS vou desistir de lutar pelo que eu quero e você?! :)